terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Natal é festa em família

Numa tarde fria de Dezembro, a Ana passeava pelo seu bairro quando viu algo a mexer debaixo de uma caixa de cartão; ela pensou que era um gato e aproximou-se. Espreitou para debaixo e deu um salto para trás, assustada, quando viu que era uma mulher magra com um bebé ao colo, embrulhado numa manta. Voltou a aproximar-se e perguntou-lhe:
- Como te chamas?
- Maria. E tu?
- Eu sou a Ana. Porque estás aqui ao frio?
- Não tenho família, perdi-a há sete meses, num acidente. Estou desempregada e não tenho casa.
A Ana ficou muito triste. Nesse momento lembrou-se de outra história que a mãe lhe contou um dia, sobre o primeiro Natal: uma gruta serviu de abrigo a Maria, José e Jesus, numa noite fria de Dezembro. Naquela noite, Maria, José e Jesus também souberam o significado de não ter um abrigo.
Então a Ana disse para a Maria:
- Já volto, Maria!
A Ana foi a correr perguntar à mãe se a Maria e o seu bebé podiam passar o Natal em sua casa.
- Oh, mãe! Eu encontrei uma senhora magra, com um bebé sem família, sem trabalho, sem comida e gostaria que ela passasse o Natal connosco.
- Oh Ana, onde encontraste essa senhora? Já não te disse para não falares com estranhos?
A mãe e a filha dirigiram-se para o local onde estavam os dois sem-abrigo.
Quando lá chegaram a mãe sentiu logo vontade de ajudar a Maria e o seu bebé e levaram-nos para casa.
Na noite seguinte era Natal e foi um Natal bastante diferente dos outros: alegria, festa e uma família maior. Nessa noite, a Ana escreveu no seu diário:
“Ontem conheci a Maria e o seu bebé, Emanuel. Hoje o bebé sorriu para mim, quando lhe dei o meu ursinho de peluche preferido. Este sorriso fez-me ficar muito feliz. A família é também quem escolhemos amar”

P.S. Também gostei da PSP que o Pai Natal deixou no meu sapatinho. Obrigado!

1 comentário:

Martinha disse...

OLÁ, sou a tua amiga Marta.
Como sabes adorei esta história. Estava espetacolar porque se não estive-se não tinhas ganho o concurso.
Beijinhos
Marta